quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

De FéRiAs Em ALaGoAs








Não sou do tipo "turista pontos turisticos"..........

Também faço os Pontos Turisticos (mas a minha moda)e corro para os não turisticos também...

Estava eu em Maceió, quando ouço alguém falar de um trem que sai da capital pro interior. Falaram que estavam revitalizando os trens e talz....

E que o passeio era bonito, mas era junto com o "povão".

De outros ouvi: "Toma cuidado que é meio perigoso!"

No dia seguinte lá estava eu na estação Maceió, indo pra Lourenço (interior do estado de AL).

R$ 0,50 era o preço da passagem.

A cada estação, o trem enchia mais (esqueci que era greve de ônibus em Maceió).

A paissagem realmente era bela, e no início as vezes até surreal (o trem passa a centímetros de algumas casas), mas quando o trem vai se afastando da capital a paissagem muda a cada kilômetro, e cada um com uma beleza diferente

A viagem é de mais ou menos 1 hora e meia (ida) e mais o mesmo tempo de volta.

Os vagões eram policiados por dois seguranças cada.

Comecei a pensar que a tal insegurança estava na cabeça das pessoas, que com certeza nunca nem tinham ido naquele tal "passeio" que o turista aqui resolveu fazer. (depois tive certeza disso)

E o "povão"........bem........

Era gente como a gente.

Que trabalha, num trabalho mais duro com certeza e que vive de uma maneira mais sofrida, penosa e simples.

A gente vê isso, nas rugas e nas expreções sofridas do rosto, e de cada olhar perdido naquela paisagem bonita que passa, na janela do trem.

Mas também vê a alegria de indicar, àquele turista que tirava fotos: "Ali é a casa da prefeita. Parece um castelo !!!" (foto 3)

E as pessoas insistem em não acreditar nas diferenças socio econômicas do nosso Brasil. Preferem continuar usando seus óculos cor de rosa.

Era gente.........

Gente pobre, muito pobre mesmo...

Gente feia, enfeiada pelas rugas e castigadas pelo tempo e dificuldades...

Mas era gente.......

Que não deixava de se enfeitar pra sair, mesmo que naquele trem que saia da Capital pra um fim de mundo qualquer do interior...(foto 4)

Era gente que carregava o filho no colo pra que esse dormisse em segurança no colo da mãe...(foto 2)

Eram todos gente como a gente.

Ainda bem que não dei ouvidos àquelas pessoas, lá do inicio do texto.

Ainda bem que tenho ouvidos desentupidos, e muitas vezes as palavras que neles entram saem como um um convite as avessas.

O mundo é muito mais diferente do que a gente pensa ou vê.

Até quando, gente vai ter medo de gente?!

Pra mim a viagem valeu. E muito !!!

É muito bom conhecer gente!!!